Credito: www.bookstorejapao.comPor Maria Inês Nassif *

O agente secreto do Centro de Informações do Exército não era nenhum neófito em tortura ou execuções, mas o que viu naquele mês de março de 1974, no "aparelho" que os órgãos de segurança da ditadura mantinham em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, foi demais até para ele.

Carioca era um dos três integrantes da equipe que conduziu David Capistrano da Costa, dirigente do Partido Comunista Brasileiro (PCB), preso quando tentava entrar no país por Uruguaiana, de Porto Alegre para São Paulo, na Operação Bandeirantes (Oban), o centro de torturas da rua Tutóia; e depois para o Rio.

Em Petrópolis, a equipe local fazia o "serviço" no quintal e um de seus integrantes chamou o agente do CIE quando "terminou". "Ei, Carioca. Venha aqui fora, o trabalho tá quase pronto". Carioca foi conduzido a um cômodo isolado, nos fundos, e passou a vista pelo ambiente. Demorou um pouco para entender o que acontecera.

Tinha sangue para todo lado, mas não via o corpo. "Chocado, sem articular uma só palavra, o estômago engulhado, percebeu que as partes, amontoadas num canto, estavam a ponto de serem colocadas num saco plástico". Levantou a cabeça em direção a algo pendurado por ganchos.

"Um tronco, dividido ao meio. As costelas de Capristano pendiam ao teto, e ele, reduzido aos pedaços, como se fosse uma carcaça de animal abatido, pronta para o açougue".

Era com essa cena que o agente, que a partir de então passou a anotar secretamente o que viveu como agente do regime militar (1965-1985), imaginava abrir um livro de memórias. O material chegou praticamente clandestino, por correio, para a Geração Editorial, que em 2005 havia editado "Operação Araguaia", dos jornalistas Taís Morais e Eumano Silva, que reuniu uma documentação inédita sobre a guerrilha do Araguaia, relatando episódios vividos pelo agente.

www.marxists.org 

David Capistrano,

dirigente do PCB

O diário foi enviado pela ex-mulher de Carioca, que ficou com os manuscritos e a orientação de encaminhá-los a jornalistas ou a uma editora quando o autor morresse. Morreu, a machadadas, num episódio até hoje não esclarecido. O editor encaminhou o material a Taís Morais, que checou dados, conversou com agentes que atuaram com Carioca e trouxe a público fatos estarrecedores contados pelo militar que morreu atormentado por seus atos, no livro "Sem vestígios: revelação de um agente secreto da ditadura militar brasileira".

Por opção da autora e do editor, foi mantida a ordem cronológica dos fatos relatados. Embora tenha mantido em sigilo a identidade de Carioca e de agentes que trabalharam junto com ele, seus pares certamente terão facilidade em identificá-lo. O ex-ministro José Dirceu, citado no livro, identifica o agente como Carlos Alberto Costa. Por razões de segurança, o livro foi distribuído às livrarias antes da divulgação.

Com algum cuidado, Taís expõe a afirmação contida no diário do agente, de que o ex-ministro José Dirceu teria sido um agente duplo, responsável pelo desmantelamento do Movimento de Libertação Popular (Molipo). "Segundo as notas de Carioca, depoimentos de alguns militares e as memórias dos coronel Lício [Augusto Maciel] - naquele idos, major -, Daniel [codinome de José Dirceu] teria sido o agente duplo e, antes de morrer, Jeová [de Assis Gomes, militante do grupo armado] informara esse nome como o de quem havia traído o Molipo", diz o livro.

Atribuiu-se a Boanerges de Souza Massa, ex-militante da ALN e preso quando era militante do Molipo, a traição a seus companheiros. Carioca o inocentou. Boanerges fez curso de guerrilha em Cuba, junto com José Dirceu. Integrava o Grupo dos 28 (ou Grupo Primavera, ou ainda o Grupo da Ilha), do qual apenas duas pessoas sobreviveram: Dirceu e Ana Corbisier.

O agente, em seu diário, diz que Boanerges foi entregue a um "aparelho rural" dos serviços de informação instalado em Formosa, Goiás. Segundo disse a ele Geverci, caseiro da propriedade, o militante "foi feito e enterrado por aí. A equipe veio, levou o homem de madrugada e sumiu com ele". "Fazer" alguém era executá-lo.

Dirceu disse que a afirmação contra ele é uma "infâmia", urdida pelo coronel Lício, que "se especializou em difamar tanto a memória dos mortos como os que sobreviveram". É atribuído a Lício, por exemplo, a versão de que o deputado José Genoino, primeiro preso pela repressão na Guerrilha do Araguaia, teria entregado seus companheiros.

/globoesporte.globo.com 

Ex-ministro José Dirceu

Devido à compartimentação das informações e das bases guerrilheiras, Genoino sequer teria tais informações. Segundo o ex-ministro, as circunstâncias da morte de Jeová, investigadas por ele nos anos 80 quando era da Comissão de Justiça e Paz, indicam que seria impossível ele ter falado qualquer coisa antes de morrer, com um tiro nas costas, num campo de futebol.

"Essa infâmia aparece num momento em que estou apoiando o movimento para que a tortura seja considerada crime contra a humanidade". Não é fato também, diz Dirceu, que tenham sobrevivido apenas dois militantes do Molipo; como também não veio da esquerda as desconfianças de que Boanerges teria sido um traidor. "Foi a própria repressão que levantou essa hipótese".

A outra revelação importante do livro é a de que o líder estudantil Honestino Guimarães, da Ação Popular, preso em 1973, no Rio, e levado a Brasília, foi morto no palco da Guerrilha do Araguaia. Já nos estertores da operação de extermínio dos guerrilheiros do PCdoB que se mantiveram na região, chegou a Marabá um jatinho da empresa Líder, contratado pela Presidência da República, que conduzia quatro militantes de esquerda, sedados e encapuzados.

Foram levados à Casa Azul, um dos centros de operação militar contra a guerrilha. Quando os capuzes foram retirados, o agente - que atuava em Brasília, de onde era Honestino -reconheceu o líder estudantil. Com ele estava outro militante brasileiro, que o "coronel Jonas" disse que era Eduardo Leite, o Bacuri - essa informação Carioca acreditava ser um engano, pois Bacuri foi preso e dado como morto no final de 1970, em São Paulo, e seu corpo entregue à família completamente destroçado.

Os outros dois presos que chegaram ao Araguaia, vindos de Brasília, um era francês e o outro, argentino, e não foram identificados por Carioca. Coube à equipe do agente executar os presos, no meio da mata. Um dos estrangeiros, o de sotaque francês, embora dopado, entendeu que ia para a morte e tentou ainda negociar a sua vida com um agente que estava próximo.

"Pô, cara, não faz isso comigo não! Deixa que eu mato os três para vocês e ainda sirvo de informante para o que quiserem". A ordem da execução, no entanto, estava dada. E vinha de Brasília, sem qualquer possibilidade de apelação.

No seu diário, o agente confirma que foi Manoel Jover Telles, o Rui, que entregou a data e da reunião do Comitê Central do PCdoB, marcada para o dia 12 de dezembro de 1976 em uma casa na rua Pio XI, na Lapa. Ele participou da reunião - foi para lá seguido de nada menos do que 35 veículos. Quando o aparelho foi invadido e metralhado, Jover já havia saído.

Os dirigentes que saíram, exceto Telles, foram presos. Morreram metralhados Ângelo Arroyo e Pedro Pomar. O episódio é conhecido como "Massacre da Lapa" .Segundo Carioca, Telles foi preso e prestou depoimento no dia 8 de dezembro e, para safar-se, fez duras críticas ao PCdoB e contou tudo o que sabia sobre a reunião que iria acontecer com todos os dirigentes do partido, poucos dias depois.

É tratado como "cachorro" (delator) também o ex-sargento Alberi Vieira dos Santos, que foi preso em 1965 e para não morrer tornou-se informante do CIE infiltrado na Vanguarda Popular Revolucionária (VPR). A sua missão era "seduzir exilados e levá-los à arapuca de falsos focos guerrilheiros", segundo o livro.

Em 1974, Alberi levou para a morte, no mesmo dia, duas levas de militantes da VPR e de argentinos do Exército Peronista, no Parque Nacional do Iguaçu; dias depois, a mesma operação prenderia o ex-sargento do Exército Onofre Pinto, um dos comandantes do grupo armado.

"Sem vestígios: revelações de um agente secreto da ditadura militar brasileira", Taís Morais, Geração Editorial, 2008, 239 páginas

* Jornalista, Editora de Opinião do jornal Valor Econômico, onde esta matéria foi originalmente publicada
Leia também:
Blogs com notícias similares:

Atualizado 2 horas atrás.

Por Patricio em Blogosfera desde 25/07/2012

http://patricionunes44.dihitt.com Blog do Patricio Nunes

Este blog tem por finalidade postar matérias sobre segurança pública curiosidade esporte politica Religião utilidade publica e qualquer coisa legal que chame a atenção do leitor data de fundação do Blog 04 06 2011,

Ranking 1190º

Atualizado 3 horas atrás.

Por Jornal em Notícias locais desde 02/06/2014

http://jornaldoestadoms.dihitt.com JORNAL DO ESTADO MS

Notícias de Mato Grosso do Sul, do Brasil e do Mundo

Atualizado 1 dia atrás.

Por Acara em Opinião e Notícias desde 13/06/2012

http://acaradevitoria.dihitt.com A CARA DE VITÓRIA

para quem quer saber de tudo, curiosidades, bizarros, notícias do brasil, e do m undo

Ranking 99º
Sua opinião:
comentou em 12/01/2009 11:15
Muito interessante o texto. Muita coisa ainda vai ser escrita sobre este período negro da recente história brasileira. As polêmicas e acusações vão surgir, e como nós, pobres mortais, saberemos a verdade ?
Abraços
respondeu em 12/01/2009 12:53
Só pesquisando, confrontando, checando e avaliando, Luiz.

Em suma, seguindo os mecanismos da investigação histórica.

Então, leremos os livros e chegaremos às nossas próprias conclusões.

Foi o que fizemos com o Império Romano, Otomano, estalinista e certamente faremos com o americano, agora em declínio.
comentou em 12/01/2009 11:20
Eu já tinha conhecimento sobre este assunto, mas é muito importante que seja colocado para que outras pessoas saibam.O José Dirceu já tinha um histórico não muito digno para chegar a ser Ministro.Então ele já não se importava, se já tinha traído a guerilha posderia muito bem trair um País, e foi o que fez.Parabéns pelo post Alceu!

Abraço,

Nuzzi.
comentou em 13/01/2009 09:11
Hoje em dia muitas pessoas daquela época são inocentes e perceguidas de ambos os lados.

Não entendo se só haviam inicentes porque deu no que deu?

Abraços.

Marco.
comentou em 13/01/2009 12:59
O PCB foi contra a luta armada, por saber que a saída teria que ser política, e foi o mais duramente agredido pela ditadura.

Por aí se pode ter uma idéia da crueldade que foi aquela época. Todo democrata era suspeito e vigiado.

Hoje, o poder convence pela lábia e pela propaganda.

Antes, era na base de demissões, cassações, cadeia e tortura.
respondeu em 29/03/2012 17:54
creio que não havia demoicratas naquela epoca quem seria o mais proximo da democracia era justamente os militares que em 64 tomaram o poder por clamor do publico , vindo a repressão tão falada hoje em dia após o grupo AP ( ação popular ) colocar uma bomba no aeroporto de guararpes, esse foi o inicio da guerra, os chamados subversivos da epoca queriam para o brasil um comunismo como em cuba ou na URSS inclusive eram finaciados por eles e a tal mundial comunista.
comentou em 13/01/2009 17:48
Coitado do Zé!!! que pena que eu tenho dele! porque tamnha maldade com nosso eterno ministro? será que nao da pra ver pela cara? hahahahah
comentou em 15/01/2009 20:03
Muitas histórias daquela época ainda estão camufladas.
Não tem lógica, por exemplo, o Zé, um jovem da classe média alta, de família abastada se envolver em certas situações.
O próprio pai do Mercadante era militar na época e Tarso Genro era tenente no Rio Grande do Sul.
Gabeira afirmou certa vez, que o movimento começou com uma briga entre alunos de universidades rivais em São Paulo e que descambou para outras variantes motivados pelo que ocorria na Europa. Disse ainda "aquilo foi uma irresponsabilidade".
Dizem ainda que o atual presidente brasileiro é cria da ditadura e teve todo o apoio dos militares, tanto é que não foi perseguido.
O interessante é que desde 1994 até hoje, o Brasil é governado por políticos ditos de "esquerda", que "lutaram contra a ditadura militar". Muitos foram até exilados (e viveram numa boa no exterior)
Uma pergunta que não quer calar: será mesmo que lutaram em prol dos brasileiros ou, na verdade, queriam tomar o poder para dele usar à vontade.
Por que a pergunta? Esses"políticos" nos últimos 20 anos não mudaram a histórica injustiça social no Brasil.
respondeu em 29/03/2012 17:58
Estavam fazendo um investimento hoje recebem bolsa ditadura onde já foram gastos 4 bilhões para gente que estava fora do brasil ganhando muito bem e uso aquia as palavras do general leonidas que na entrevista dada ao dossiê da globo news diz , "não houve exilados politicos no Brasil e sim fugitivos", parece que precisava de um documento oficial para ser exilado .
comentou em 05/10/2009 01:54
Nunca me esqueço que por volta de 1997 ou 1998, encontraram-se no Bom Dia Brasi (Globo) o acusador - Paulo de Tarso Vasconcelos, e a acusado - José Dirceu. A querela girava em torno de propinas ocorridas em prefeituras administradas pelo PT. A certa altura, perguntaram a Jose Dirceu, que comandou a explusão de Paulo de Tarso (e denunciante é sempre punido), se se sentia confortável na condição de inquisitor de um colega que fora preso e torturado, que arriscara a vida para livrar J. Dirceu da cadeia, no epísodio do sequestro do embaixaror dos Estado Unidos. José Dirceu, tal como um psicopata, disse que aquilo era passado, que os tempos eram outro. Por pouco, não deu um bronca do Paulo por ter se arriscado na empreeitada que lhe tirou da cadeia. Voltando no tempo, José Dirceu fazia parte do grupo Primavera de militantes treinados em Cuba. Zé Dirceu veio na frente e informou aos cubanos que hávia boas condições para a vinda do grupo que, ingenuamente, desconhecendo o aperçoamente da repressão, foram mortor ou desaparecidos, um a um. Sobraram somente dois: Zé Dirceu e mais uma militante.
Após uma plástica no nariz, Zé Dirceu fixou em Cruzeiro do Sul, pequena cidade do Paraná, fazendo-se passar por um comerciantes de roupas masculinas, não antes ter-se aproximado, por interessa, de um senhorita que possuia uma boutique. Tiveram um filho. Com a anistia, Zé Dirceu rasgou o disfarce, foi a Cuba novamente para tirar um implante no nariz. Desejoso militar novamente em São Paulo, só ai e que Dirceu revelou sua verdeira identidade à mulher que, como era de se esperar de uma personalidade psicopata, abandonou-a, porque ela não mais servia a seus propósitos políticos. Isso lembra a Dona Marta, que dispensou o correto Suplicy para ficar com um aventureiro franco-argentino (isso porque não deve haver argantino-franco), cujo casamento já foi por água abaixo ?
comentou em 05/01/2013 00:03
Tudo que se escrever ou apurar nos documentos dos militares que vá contra lagum dos que hoje se vangloriam de ter lutado contra o regime será considerado como calunia, mas isso não é novo já na biblia foram tirados varios livros considerados falsos por não dizerem o que pregavam os que a elaboraram , comição da meia verdade ? nem meia será.